domingo, 29 de janeiro de 2012

Mais cólicas e mais chororô



Olá, pessoal!

Mãe de primeira viagem é assim mesmo, né... Some do blog porque o bebezinho está com cólica...
É isso mesmo... Faz mais ou menos uma semana que o Bernardo não para de chorar a não ser quando dorme um pouco. Imaginem a situação da pobre mãe...
Eu dou Luftal, viro ele de bruços, fico de pé, embalo, canto, acaricio, falo palavras de conforto do tipo "Vai passar, meu filhinho...", dou banho de ofurô, troco a fralda, dou leitinho e nada! Até Tylenol Bebê eu dei ontem, mas nada resolve. A Funchicórea, que eu não ia dar porque li num outro blog que queimava as papilas gustativas do bebê, eu não cheguei a comprar apenas porque a pediatra dele falou que tiraram do mercado... Ô, desespero!!!
Ah! E outro detalhe: comprei mais três chupetas diferentes pra ver se ele gostava de alguma e nada! Já falei pra ele: se ele não pegar até os três meses, não dou mais! (ameaçador... hehehe)
Enquanto tento de tudo sem muito êxito, o que me sobra é esperar. Todos dizem: é uma fase... E é mesmo...
Mas meu bebê sabe que sofro juntinho com ele e decidiu me presentear nessa noite: dormiu a noite inteirinha! Quando acordei hoje, já estava clareando! Que bênção de Deus!!!

sábado, 14 de janeiro de 2012

Produto testado: fecho de segurança Love

Comprei esse fecho de segurança para o armário do quarto do meu filho porque uso uma das portas para colocar umas baguncinhas por enquanto que ele não precisa de tanto espaço. Então, não quero que ninguém abra "acidentalmente" a porta e de de cara com a bagunça!
Gostei muito. Como ele ainda não tem idade para tentar abrir as portas, eu mesma testei.
O fecho é de silicone bastante resistente. Não precisa furar nada, pois ele cola na superfície e é fácil de colocar e de remover. Aprovadíssimo!

Prós: fixa bem, fácil de colocar e de remover
Contras: nenhum até o momento
Preço: R$10,90

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Produto testado: cortador de unhas com lupa, Safety 1st (ATUALIZADO)

Comprei um cortador de unhas como esse em uma feira de bebe e gestantes aqui em São José dos Campos.
Pensei que por ter uma lupa, iria facilitar minha vida. Puro engano!
A lupa desse cortador é bem turva. Por isso, não consigo enxergar as unhinhas do meu pequeno para cortá-las nem de óculos...
Resultado: Produto reprovadíssimo no meu teste!
Estou usando uma tesourinha ótima da qual falarei em breve...


Prós: nenhum até o momento UPDATE: Hoje meu bebê tem 7 meses e uso esse cortador. Ele funciona melhor agora que as unhas dele são mais durinhas. A lupa continua inútil.
Contras: é difícil de encaixar na unha do bebê e a lente deixa a visão turva
Preço: R$14,90

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Como se desenvolve o cérebro do seu bebê


Recém-nascidos são como estrangeiros que acabaram de chegar ao país: não falam nossa língua nem entendem direito o que estamos dizendo. Mas eles aprendem rápido. Pesquisas mostram que os bebês começam a ouvir a voz dos pais já no útero. Quando nascem, começam a prestar atenção nas palavras e nos padrões das frases para descobrir o que as pessoas estão dizendo. Também usam seu poder de observação para aprender coisas mais complexas sobre o mundo físico e emocional, como amor, confiança, tempo e o fenômeno de causa e efeito.

Quando se desenvolve

Seu filho começa a tentar entender o que os outros estão falando e fazendo mesmo quando ainda está na barriga. No começo, ele não sabe o significado das palavras que você usa, mas capta suas emoções (como amor, preocupação, ansiedade e raiva). Quando chega aos 4 meses, reconhece seu próprio nome, e entre os 8 e os 12 meses já entende ordens simples, como "Não" e "Tira a mão". Depois dos 2 anos de idade começa a conseguir cumprir determinações em duas etapas, como "Vá até a cozinha e pegue seu sapato". Aos 3 anos, ele terá um vocabulário de algumas centenas de palavras e uma boa idéia dos aspectos mais complicados do cotidiano, como as tarefas básicas de comprar e fazer comida, trabalhar, limpar a casa, além de certa noção de horário.

Como se desenvolve

Recém-nascido a 1 mês

A cada minuto que passam acordados, os bebês absorvem informação sobre o mundo à sua volta, empregando os sentidos para descobrir o que está acontecendo no ambiente em que vivem. Não possuem os dados que os adultos e as crianças mais velhas costumam usar para entender as coisas. Muitos especialistas afirmam que os bebês entendem bem mais do que os pais imaginam.

Os bebês mantêm uma sintonia emocional com as pessoas que os cercam, pois essa é uma de suas armas para sobreviver. Por isso, percebem o que você está sentindo e pensando pelo tom da sua voz, pelo movimento da sua boca, pelo ritmo da sua respiração, pela sua pele e até pelo brilho no seu olhar. Seu filho cria uma versão da realidade a partir do modo como você responde a ele -- quando ele chora, você o conforta; quando ele tem fome, você o alimenta. À medida que a coordenação motora do bebê se aperfeiçoa, que sua memória fica mais aguçada, que ele consegue manter a concentração por mais tempo e que suas habilidades sociais ficam mais refinadas, ele também entende melhor as coisas.

De 2 a 3 meses

Seu bebê continua a absorver todas as informações que o cercam. Sua atividade favorita é observar o que acontece em seu ambiente, e agora ele já entende que você o acalma, o alimenta e brinca com ele sempre que ele precisa de você. O primeiro sorriso de verdade aparece nessa fase, e ele percebe que é uma maneira de demonstrar a você que ele está satisfeito. Ele vai gostar da reação que provoca ao sorrir. Com 3 meses, ele não só vai sorrir como vai começar a emitir sons, dando início a uma forma de conversa primitiva com você.

De 4 a 7 meses

A criança passa a saber seu próprio nome e a entender quando está sendo chamada. Talvez até responda, virando-se para você. Também está mais sintonizada com o tom da sua voz. Quando sua fala é amistosa, ela reage com alegria, mas, se você fala sério demais, pode até chorar. Está começando a perceber a diferença entre os estranhos e os rostos conhecidos, e talvez chore se for para o colo de alguém que não reconheça.

De 8 a 12 meses

Seu bebê está começando a entender ordens simples. Se você disser "Não" quando ele tentar pôr a mão na tomada, por exemplo, ele vai parar e olhar para você -- talvez até balance a cabeça fazendo "não". Também está testando sua reação ao que ele faz. Pode jogar a comida no chão só para ver o que você vai fazer, e depois guarda sua reação na memória. Mais tarde ele fará novos testes, para ver se você reage do mesmo jeito.

De 1 ano a 1 ano e meio

Com 1 ano e meio, seu bebê provavelmente já é capaz de entender e usar pelo menos 50 palavras. E conseguirá seguir instruções, mesmo que elas envolvam duas ações -- por exemplo: "Recolha os bloquinhos e ponha na caixa".

De 1 ano e meio a 2 anos

Seu filho começa a compreender que as necessidades dele nem sempre combinam com as suas. Vai tentar se impor -- cruzando os braços decidido quando você tentar dar a mão para ele, por exemplo. Também passa a entender conceitos como espaço e dimensão. Provavelmente já consegue montar um quebra-cabeça simples, e sabe a diferença entre um triângulo e um quadrado, sendo capaz de encaixá-los numa forma vazada.

Também está entendendo o fenômeno de causa e efeito -- sabe que quando aperta a barriga do bichinho de pelúcia, por exemplo, ele toca música.

Essa nova habilidade será bem útil quando ele estiver pronto para largar a fralda (o que ainda deve demorar mais alguns meses).

De 2 a 3 anos

Nessa fase seu filho já entende bastante bem a língua. Especialistas em desenvolvimento afirmam que a maioria das crianças de 2 anos compreende no mínimo 150 palavras, e que dez novas palavras são acrescentadas todo dia ao seu vocabulário. Como a aquisição da linguagem virou uma coisa natural para ele, seu filho pode agora se concentrar em conceitos mais complexos, que envolvam as emoções.

Entre os 2 e 3 anos, a criança passa a compreender os elementos básicos que compõem os relacionamentos: amor e confiança. Ele sabe que você e o resto da família cuidam dele e que estão ao lado dele. Apreendeu esses conceitos tão importantes pela maneira como você o tratou nos primeiros anos de vida. O fato de você ter cercado seu filho de carinho, atendido a suas necessidades e zelado por sua segurança o ajudou a se tornar uma criança confiante e otimista.

Ele está começando a entender aspectos mais complicados da vida cotidiana, só de assistir ao que você faz no dia-a-dia. Além disso, percebe como deve tratar as outras pessoas (também ao observar suas atitudes). O modo mais fácil de garantir que ele se torne uma pessoa solidária e íntegra é prestar atenção no modo como você trata os outros -- especialmente seu próprio filho.

O que vem pela frente

O número de palavras que seu filho é capaz de entender aumenta rápido. Aos 6 anos, a maioria das crianças tem um vocabulário de quase 13 mil palavras. Nos próximos anos, ele vai começar a compreender situações e idéias cada vez mais complexas, como os princípios da matemática, distinguir o certo do errado e conceitos como o futuro.

O que você pode fazer

Se você conversar e ler para o seu filho, vai ajudá-lo a adquirir bons recursos de comunicação. Em geral, a compreensão da palavra vem antes de a criança ser capaz de pronunciá-la.

Brincar com a criança a ajuda a aprender sobre como funciona o mundo. Desafie-a com brinquedos adequados à sua faixa etária e com jogos que estimulem seu desenvolvimento físico e mental. Aproveite-se da curiosidade dela para mostrar que aprender é prazeroso, bom e gostoso. Gostar de aprender só vai fazer bem para ela.

Demonstrar afeto pela criança é a melhor maneira de ensiná-la da importância de conceitos emocionais como a empatia.

Quando se preocupar

Se, com 3 anos, seu filho parece ter dificuldade para entender as instruções e sugestões mais simples, fale com o pediatra. Outro motivo para conversar com ele é se a criança ficar genuinamente perplexa quando você lhe pede que faça alguma tarefa simples. Se você tiver mostrado inúmeras vezes ao seu filho como se abre uma caixa, mas mesmo assim ele não conseguir entender o que deve fazer, por exemplo, ele pode estar com algum tipo de atraso cognitivo.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Quer ter uma menininha? Faça uma dieta rica em cálcio e magnésio...


Mothers who eat a diet rich in fruit, vegetables and rice are more likely to have baby girls, according to a new study that could help parents choose the sex of their children.

Quer ter uma menininha? Faça uma dieta rica em cálcio e magnésio: é o que afirmam os cientistas.
Agora, um estudo holandês ensina as mulheres a seguirem uma certa dieta caso queiram ter uma menina. Sim. Esqueça a história do “metade, metade”. Existe uma maneira de você aumentar suas chances de ter uma menininha para 80%.
Os pesquisadores pediram a 32 mulheres que já tinham tido meninos para tentar uma “dieta feminina” rica em cálcio e magnésio. Isso significa comer alimentos como salada com queijo de cabra, ensopado de legumes e arroz doce.
Os cientistas acreditam que alimentos como batatas e bananas, com altos níveis de potássio, conduzem a meninos; esses alimentos eram restritos na “dieta feminina”.
O resultado do projeto de cinco anos foi que 26 mulheres tiveram meninas, e apenas 6 mães deram à luz a meninos.
Os cientistas também pediram as mulheres para tentar engravidar em um momento determinado do ciclo de ovulação. Mas eles ainda acreditam que a dieta foi o fator mais forte para alcançar tamanha porcentagem de bebês meninas.
Ditados antigos já aconselhavam as mamães a comerem alimentos como espinafre, nozes e brócolis se quisessem ter meninas. Mas por que esses alimentos ajudam? Os pesquisadores acreditam que os níveis de minerais no sangue afetam o óvulo não fertilizado, tornando-o mais receptivo aos cromossomos do sexo feminino.
O próximo passo dos cientistas é realizar a mesma experiência com mulheres que tiveram meninas e agora estão em busca de um menininho.
Apesar de interessante a ideia de influenciar o sexo do bebê através de uma dieta, essa esperança pode trazer decepção às mães que não conseguirem ter um filho do sexo desejado. Esse é um problema que dificilmente poderá ser resolvido: a ciência pode impedir que os fenômenos naturais sejam totalmente aleatórios, mas não há tecnologia que os garanta definitivamente.

Retirado do site: "The Telegraph"

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Aplicativo de controle para quem tem Iphone/ Ipad

Total Baby

Recebi essa dica da também mamãe de primeira viagem Helen Freitas e achei bem legal!
O aplicativo da Aplle traz diversas funcionalidades para quem tem Iphone/ Ipad. O "Total Baby"* é o # 1 do bebê para registro e acompanhamento na App Store. Ele vai ajudar você com os cuidados com seu filho através de uma interface inteligente e elegante que faz rastreamento fácil e divertido.
*** CARACTERÍSTICAS ***

TIMING & RASTREAMENTO:
Fraldas, remédios, alimentação, hora da soneca, banho e outros que você pode criar 

LOGGING:
Diário, visitas ao médico, crescimento, vacinas e alergias


* App pago e em inglês.


sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Como evolui a visão de seu bebê


Como evolui a visão do seu bebê
(Retirado do site: Meu bebezinho)

1o mês
O bebê praticamente não distingue cores e percebe pouco os contrastes. Mesmo de alguém muito próximo, só vê o vulto. Sua percepção depende bastante dos contrastes. A proximidade do bebê e a claridade do ambiente facilitam bastante sua percepção. As lágrimas só aparecem a partir da 3ª semana de vida, quando as glândulas lacrimais já amadureceram.

2o mês
Embora continue vendo apenas vultos, o bebê distingue melhor contornos e cores. Também associa visão e ruídos. Por isso, um chocalho lhe desperta a atenção. O ideal é apostar em brinquedos de cores altamente contrastantes (vermelho e branco, preto e branco). O contato com a luz também é importante. É que, ao chegar à retina, a luz ativa a camada de células fotorreceptoras, das quais se originam as ondas elétricas que chegam ao cérebro onde são transformadas em imagens ou sensações visuais. Então, nada de deixar o bebê o dia inteiro na penumbra. Mas também não o exponha a luminosidades intensas, que ofuscam sua vista. A claridade natural do ambiente já é o suficiente para proporcionar o estímulo necessário.

3o mês
Há um progresso notável. Seu bebê já distingue melhor as cores, tem uma capacidade de focalização maior e até já consegue estabelecer um contato olho a olho com a mamãe. Por uns poucos instantes, é capaz até mesmo de seguir com o olhar um objeto em movimento.

4o mês
A partir desta idade, os olhos da criança já estão alinhados - é quando acaba a descoordenação motora dos olhos, responsável por períodos de estrabismo no bebê. Esse alinhamento é o que permite enxergar imagens com tridimensionalidade. Mas, só por volta do segundo ano, a capacidade de captar imagens em 3 dimensões atinge a plenitude. Com uma boa percepção de cores, a criança já demonstra interesse por objetos de tons fortes, como o vermelho, amarelo e azul.

6o mês
A evolução é notável. O bebê já dispõe de uma visão praticamente igual à do adulto. Percebe todas as cores, nuanças e contrastes, vê com profundidade, mas ainda lhe falta focalizar melhor. Por isso, nem sempre a imagem tem boa nitidez. A partir de agora, a estimulação depende de oferecer brinquedos com diferentes formatos e cores. É esperado que o bebê tente alcançar com as mãos objetos que estejam em seu campo visual.

8o mês
É quando a cor dos olhos do bebê finalmente se define. Até esta idade, as células de pigmentação da íris tendem a escurecer. E nos primeiros dias de vida, os olhos do bebê costumam “puxar” para um tom de cinza ou azulado.

1 ano
A visão do bebê já lhe garante praticamente a mesma percepção do adulto, mas ainda falta a nitidez nas imagens. Chamada de acuidade visual, a capacidade de ver detalhes, como objetos menores ao longe, só é plenamente alcançada entre 5 e 6 anos. Este é o período necessário para a plena maturação das células visuais e da parte do cérebro responsável por receber e processar as imagens. Por isso, nem sempre seu filho é capaz de ver cenas que você mostra.

Dr. Yechiel Moises Chencinski
Telefone: 11-3285.2105 / 3284.0992
http://www.doutormoises.com.br/



quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Produto testado: gel para prevenir assaduras Boni Baby


Nos primeiros dias do Bernardo, não usei nada para prevenir assaduras. Duas semanas depois, o bumbum estava avermelhado por causa das benditas fraldas descartáveis.
Foi aí que decidi escolher entre as opções que tinha em casa: maisena, Higiapele da Johnsons ou o gel para assaduras da Boni que havia comprado durante a gravidez. Optei pelo gel e foi uma ótima escolha. Três dias depois as manchas haviam sumido.
Que eu saiba, esse é o único gel para prevenir assaduras no mercado aqui no Brasil. Vale muito a pena comprar. O meu custou R$7,90. A embalagem é pequena (35g), mas rende bem, tem um cheirinho suave, não mancha a roupa e é fácil de tirar no banho: basta um pouquinho de água e sabonete.
Aprovadíssimo!

Prós: protege bem, não mancha a roupa e é fácil de tirar no banho
Contras: nenhum - UPDATE: depois dos 7 meses, meu filho começou a ter assaduras e eu optei por começar a usar o Bepantol Baby
Preço: 7,90

Cuidados com o umbiguinho



O coto umbilical requer alguns cuidados, mas nada desesperador, se você fizer tudo certinho.
O coto deve ser bem limpo com cotonete e álcool 70º três vezes ao dia. Limpe bem ao redor do coto e coloque álcool também no próprio coto. Mas, atenção: não limpe mais vezes nem menos vezes por dia, pois a umidade pode atrasar a queda do coto e a falta de limpeza pode fazer o umbiguinho inflamar.
Eu limpava a cada troca de fralda e o coto do meu bebê só caiu com 11 dias de vida. Segundo a pediatra dele, poderia ter sido antes.
Não tenha medo de manipular o cordão, pois isso não causa dor. O bebê só chora porque o álcool é gelado.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Cólicas e muito chororô


Meu bebê estava entrando bem na rotina que programei para ele. Mas, nos últimos dias, haja paciência para todo o choro que tenho ouvido! É que ele está tendo muita cólica... Pobrezinho!
O pior é que nem o peito, o "solucionador" de todos os problemas, resolve isso.
Veja algumas coisas que têm amenizado o problema:
  • o colinho do papai - Sim! É mais quentinho que o meu... É só ele encostar a barriguinha do Bê no seu peito sem camisa e as coisas melhoram muito...
  • massagem e exercício tipo "bicicleta"
  • banho morno
  • Funchicórea - remedinho antigo bem docinho, mas dizem que é só "placebo"...
  • Luftal (utilize apenas sob prescrição médica)
A gente vai dando um jeitinho enquanto ele não fica mais velho (dizem que depois dos dois meses passa...)
Até a próxima!
  •  

domingo, 1 de janeiro de 2012

Livro de Receita do Bebê

O site Comunidade Pampers oferece um recurso muito legal: o livro de receita do bebê.
Lá você seleciona a idade do seu filho (acima de 6 meses), o tipo de alimentação, o tempo de preparo e até mesmo os ingredientes e "voilà!" a receita aparece...
Vale a pena conferir!